Rotular alimentos que causam alergia é uma medida urgente

Alimentos comuns do nosso dia-a-dia alimentar podem esconder grandes perigos para pessoas que possuam alguma alergia alimentar. Cerca de 90% dos alérgenos – como são conhecidos os alimentos responsáveis por causar crises alérgicas – são alimentos comuns como o ovo, leite, amendoim, soja, trigo, oleaginosas, peixes e crustáceos, entre outros.
Hoje, de 6% a 8% de crianças com menos de três anos são alérgicas, enquanto 2% a 3% dos adultos sofrem desse mal que está relacionado a uma resposta exagerada do sistema imunológico ao consumo de certos alimentos. As reações causadas pelas alergias podem surgir instantes depois do consumo do alimento em casos mais graves, ou dias depois em casos mais amenos. São diversas as reações e sintomas de alergias, mas os mais comuns são:

• Pele: os sintomas que podem vir a surgir na pele podem variar entre urticárias, inchaços, coceiras e eczemas.
• Sistema gastrintestinal: o sistema gástrico e intestinal pode sofrer com diarreias, dores abdominais, refluxos e vômito.
• Sistema respiratório: as crises de alergia podem resultar em rinoconjuntivite, tosse, rouquidão e chiado no peito.
• Outros: em alguns casos, diversos órgãos podem sofrer com reação anafilática em uma crise alérgica.

Mesmo que pessoas alérgicas saibam quais alimentos não ingerir, ainda é difícil ter tal clareza na hora de comprar produtos industrializados. Informações importantes como ingredientes alérgenos presentes na composição ou que possam ter entrado em contato com o produto durante o processo de fabricação são dificilmente encontradas e, às vezes, inexistentes.
Com o intuito de defender a adoção de medidas que combatam a falta de informação, a campanha Põe no Rótulo surgiu em 2014. Atualmente, a campanha vem reforçar e pedir a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o não adiamento da norma conquistada pela pressão do movimento RDC nº 26/15 prevista para entrar em vigor em julho. A resolução já aprovada determina a obrigatoriedade de empresas informarem em seus rótulos sobre a presença ou traços dos principais alimentos causadores de alergias, mas empresas do ramo pedem mais tempo de adaptação inicialmente estipulada para um período de um ano.
Uma outra medida semelhante que se encontra no fim do processo de aprovação é o projeto de lei PLS 155/2014, que determina que o rótulo de alimentos traga informações sobre a presença potencial dos principais alimentos alérgenos.
Em apoio e preocupação ao assunto, o Instituto PERFACE destaca a urgência da adoção da regra para pacientes alérgicos que sofrem com consumo inconsciente de alimentos alérgenos devido a falta de informação em rótulos de produtos alimentícios. Enquanto essa medida não faz parte da nossa rotina, é importante ficar atento a alguns cuidados presentes na Cartilha da Alergia Alimentar divulgada pelo movimento Põe no Rótulo para não ser pego de surpresa por uma crise de alergia:

1. A constante leitura do rótulo é muito importante, inclusive de um produto ao qual já esteja acostumado, pois sua formulação pode mudar. Para evitar reações adversas, recomenda-se a leitura do rótulo no ato da compra, ao guardar o produto e antes de seu consumo.
2. Atenção aos rótulos de produtos industrializados e de medicamentos (lactulona, suplementos de cálcio etc.), pois estes produtos também podem conter alérgenos.
3. Evite produtos que não contenham rótulo com a lista de ingredientes (como, por exemplo, os produzidos em padarias e confeitarias).
4. Frios (presunto, mortadela etc.) fatiados em padarias e mercados são geralmente cortados na mesma máquina que os queijos, podendo ocorrer contaminação cruzada. Prefira produtos embalados diretamente pelo fabricante.
5. No açougue, verifique se há risco de contaminação cruzada (carnes temperadas junto de carnes in natura, por exemplo).

Fique atento a essas orientações e diminua o risco de consumir alimentos alérgenos. Além disso, é muito importante ter em mente que o acompanhamento de um profissional de nutrição é imprescindível para guiar o paciente a uma alimentação saudável com substitutos para os alérgenos que não prejudique a sua rotina. Marque uma consulta com o Instituto PERFACE e oriente-se.
Divulgue essas informações e saiba mais sobre alergia alimentar na página da campanha Põe no Rótulo.

Saiba mais sobre