Tudo o que você precisa saber sobre o chocolate
Nessa época do ano, o que mais se vê é o tão amado chocolate pelas prateleiras das lojas e supermercados. Há pessoas que optam pelo tradicional chocolate ao leite, recheado com os mais variados ingredientes, chocolate branco, chocolate amargo… uma infinidade de opções! Agora, qual é a melhor alternativa? Quanto e quando comer? É preciso pensar em tudo isso, porque mesmo que seja delicioso, o consumo excessivo de chocolate traz perigos para a nossa saúde.

De onde vem o chocolate
O chocolate é um alimento feito com base na amêndoa fermentada e torrada do cacau. Sua origem remonta às civilizações pré-colombianas da América Central. Naquela época, o produto era consumido pelos nativos na forma de uma bebida quente e amarga, de uso exclusivo da nobreza.
Com o desenvolvimento dos processos industriais e técnicas culinárias, surgiu o chocolate com leite e depois na forma de um sólido. Atualmente, é encontrado em diferentes formas tais como: em pó, barras, ovos, bombons e líquido.

A melhor opção de chocolate
Falando no chocolate por si só – sem contar as opções recheadas –, é possível encontrá-lo nas opções branca, ao leite, meio amarga e amarga. Assim como o sabor, os ingredientes de cada tipo também variam bastante.
O chocolate branco, por exemplo, leva em sua composição a manteiga de cacau ao invés da massa de cacau, que é conhecida pelo seu poder antioxidante. Por apresentar grande quantidade de gordura, açúcar e leite, o chocolate branco acaba sendo a pior opção para consumo.
Já o chocolate ao leite, meio amargo e amargo, são feitos a partir da massa de cacau, mas variam entre si na quantidade de cacau e de gordura. Quanto mais massa de cacau a composição apresentar, menos gordura, açúcar e leite ele terá e menos prejudicial será o seu consumo. Por exemplo, um chocolate amargo que possui 70% de cacau é composto por outros 30% de leite, açúcar e gordura. Em outras palavras, quanto mais amargo, melhor.
Além dessas opções tradicionais, hoje são oferecidos outros tipos de chocolates com propostas nutricionais diferentes:

• Chocolate à base de soja: essa opção é 100% vegetal e não contém glúten, lactose e açúcar. Em contrapartida, o ácido fítico presente na soja atrapalha a absorção de nutrientes e minerais.
• Chocolate diet: não possui açúcar, mas apresenta alta quantidade de gordura.
• Chocolate à base de alfarroba: composto por uma vagem pouco calórica que substitui o cacau.
• Chocolate à base de whey protein: contém alto teor proteico, mas também de gordura.

Consuma chocolate a favor do seu corpo
O cacau possui propriedades antioxidantes (dentre eles, os flavonoides) importantes para o nosso corpo e é por essa razão que o consumo controlado de chocolates amargos – com mais de 70% de cacau – é aconselhado. Se consumido em porções diárias recomendadas por um profissional de nutrição, o chocolate atuará de forma funcional no organismo. A ingestão diária recomendada é controversa, mas alguns estudiosos sugerem uma ingestão de 20 a 30 gramas por dia. De fato, somente um nutricionista poderá lhe indicar o consumo adequado e benéfico à sua saúde. Veja no que o chocolate pode auxiliar:

• Diminui riscos cardiovasculares.
• Previne o envelhecimento precoce.
• Mantém a saúde da pele.
• Reduz o colesterol LDL.
• Diminui a pressão sanguínea.
• Reduz os processos inflamatórios.
• Combate radicais livres.
• Melhora a ação plaquetária.

Nunca substitua uma refeição por chocolate. Não pense apenas em equilibrar calorias em uma dieta, porque o seu corpo precisa de outros nutrientes que só são encontrados em outros alimentos.
Entretanto, o consumo excessivo pode levar ao aumento da pressão arterial, ganho de peso, superávit calórico, altas taxas de glicose sanguínea, hipercolesterolemia, diabetes tipo 2, doenças coronarianas e agravar alguns tipos de câncer. Por isso, o chocolate deve ser consumido moderadamente.

Exagerou no chocolate?
Se as dicas chegaram tarde e você já exagerou no consumo de chocolate, é possível ajudar o corpo a se recuperar com algumas dicas alimentares:

• Consuma refeições leves, evitando frituras ou alimentos gordurosos, pois a quantidade de gordura fornecida pelo chocolate é bastante alta e isso já sobrecarrega o fígado.
• Prefira carnes leves como o frango e o peixe.
• Consuma melancia, melão, maçã, abacaxi, mamão e outras frutas e alimentos diuréticos. Isso ajuda a diminuir o inchaço do corpo.
• Beba bastante água diariamente. Ela hidrata o corpo, ajuda o rim a acabar com as toxinas e auxilia o intestino para uma boa digestão.
• Diminua a quantidade de açúcar refinado. Use adoçantes como a stévia e o xilitol como substitutos.
• Não tente compensar nas outras refeições ficando em jejum.

Em resumo, se nesta Páscoa você deseja saborear um chocolate, procure aqueles com maiores teores de cacau e o aprecie com moderação. Não deixe de aproveitar o chocolate, mas faça seu consumo com sabedoria para manter o funcionamento do corpo equilibrado.
Boa Páscoa!

Saiba mais sobre